terça-feira, 17 de janeiro de 2017

LIBERTOS

Aí Deus manda tudo que seu subterfúgio pedia e seu eu, desperto, liberto e consciente diz: não
Porque tem menos necessidade do seu prazer do que do seu espírito resplandescente!
Porque a vingança não sacia sua taça e o amor é o estado natural do ser inteiro que é.

Sou grata pelos ritos de passagem que tivemos juntos e peço ao destino que lhe receba com amor, pois é muito amor que eu lhe emano!
A força, que me rege, me dá a segurança desse baque solto, do brinquedo de criança, do fazer feliz como válvula do sucesso.
E pra se ir, pleno, tem que se estar de acordo com as arestas do nosso próprio caráter, tem que se estar abençoado pela vitória da luz sobre as trevas e saciado com a felicidade realizada... e esse vinho não me sacia.
Eu prefiro te amar com nossa antiga e perdida proposta do que com essa, que em nada me interessa. Já te conheço e você me conhece. Somos, juntos, mais perigosos que a bomba atômica e eu quero os dedos de qualquer um distantes desse gatilho.
O meio nos é dado. Que ele seja preenchido com boas escolhas, perdões verdadeiros, votos de amor e a liberdade de cada um seguir a estrada que trilhou desde que era criança, sempre com preces pra que tudo dê mais que certo.
Quando nos soubermos humanos, falhos e em processo de esclarecimento, metade das guerras, talvez, deixem de ser travadas.