terça-feira, 28 de maio de 2013

PICADEIRO

Podem ser tão cruéis quanto as distâncias, certas naturezas humanas. 
O que é que eu ainda espero,  se já conheço a sua maneira de caminhar, cem metros antes do seu primeiro passo? 
Somos mais manjados que as gagues imortais de velhos palhaços.
Eu tento... medito... alongo... permito... analiso... mas no final das contas morro, como morre o meu amor de desnutrição e o seu, pelo apetite não saciado.
Faz-se necessário um poema, mas só o que vem é um bufão.
Faz-se necessária o sagrado, mas sou só o que vem é uma poeta.
Somos feitos de tinta!
A mágica do nosso circo, com lona bordada em versos, só se sustenta se o mastro central for alto, infinito!
E nós, estradeiros, verdadeiros, pés de valsa, dançadeiros, alegretes só podemos ficar juntos se for pra oferecer o maior espetáculo da terra ou negamos os votos que fizemos, de mãos dadas, antes de dar nossos mortais, nuvens abaixo.
Somos as feras que domamos, a espada e a garganta, o arame que balança sobre a morte e o caminhar da equilibrista.
Em direção ao centro do picadeiro, segurando lágrimas pra manter minha maquiagem!
Parece que o gran finale será uno, apenas um solo meu, sem nenhuma troca de corações... como um pierrot que abre o peito e mostra as vísceras de uma amor não correspondido, embaraçadas, como fitas coloridas num nó.


quinta-feira, 23 de maio de 2013

PRA AMAR... PRA VIVER... PRA ACREDITAR


HONESTIDADE

Tão ciente de ti, por ter-te cá dentro de
Tudo que me é cognoscível ao talo
Vejo flores, no pó do meu sonho caro
Em saudades, frias, gotas de sereno
Claros antídotos pros nossos venenos
E nós, cegos, das estrelas desatados.
Seres frontalmente desnudados
Referenciais esclarecidos
Delatam humanos parecidos
Mas de provável disparidade
Nela, ilusão de identidade
Pra dias e noites tão sozinhos
Repletos de silêncios, ou companhias
Das cartas marcadas em velhos baralhos.
Saudável é a eternidade fora das ilhas
Vá na frente a honestidade, tomar atalhos, riscar trilhas.

terça-feira, 14 de maio de 2013

BOLHAS DE SABÃO

Os seres humanos rodam por todo um labirinto de caminhos até chegar ao próprio miolo.

Como se voltassem para a sua primeira placenta e dessem um abraço, longo, em si.

Descobrir como a lua cabe, inteira, dentro de cada pessoa, ao mesmo tempo;
jogar-se, como em um rio, no beijo de amor e de amigo;
ser padrinho dos filhos de todos os seus, até parir a si próprio para gerar outro alguém.

Retratos de nós em caras tão diferentes...
Textos que escrevemos nas bocas do infinito...

Não há culpados a serem punidos ou intocáveis.
Todos, os que estão vivos, sofrem,
mas os caminhos são de se caminhar e "carece ter coragem".
As fadas e os duendes, por mais diferentes que sejam, vivem no mesmo reino elementar.

Tudo é absolutamente nosso e é dever de cada criatura de boa vontade espalhar seu amor, com a entrega e a pureza das bolhas de sabão que se sopra para crianças.

Só quando se escuta os versados da natureza é que se entende a missão da poesia.

Ser grato por tudo que acontece a nós,
sem uma gota de juízo de valor e um mar de aprendizado
é a chave que destranca a porta entre o chão e todo o céu de sonhos que lhe cobre.





OLHO DE JAH


A lua não se move se ela não quiser. Essa dama, quando sai, vermelha, como nos últimos dias é sinal de que vai resplandecer no céu, da maneira que desejar.

Ai, me dá um papel, que caneta eu sempre trago uma entre dentes, pra escrotizar as pequenas grandes maldades humanas.

Mas calma, poeta! Deixa o papel sem letras tomar banho de estrelas, deixa a cabeça sob o sol antes de fazer a sua poesia. 

Observe os cardumes se realinhando depois de se separarem numa curva, as sequências das ondas no mar e como formam buracos na areia submersa, as núvens anunciando as tempestades e as cigarras os novos dias de sol.

Tudo que existe pertence a Jah e cada ser tem absoluto direito de ocupar o espaço da sua existência.

Pode ser que, em breve passado, alguma tristeza tenha levado seu sorriso,
Mas o futuro é bem alí... e amanhã pode caminhar em sua direção um lindo moreno molhado de mar.
Quem sabe onde você vai morar ou o que vai estar fazendo?
Onde sua coragem pode lhe levar?


Seja grato até pelas lágrimas que caem dos seus olhos, pois irrigam de dentro pra fora a prova da sua capacidade de sentir.

Tudo se transforma, sem nunca deixar o amor motor elementar!

Há muito que se aprender com a natureza das coisas! 

Aprume-se, melhore-se, defenda-se e absorva.
Gostar de quem se é

é o princípio da boa sorte!