terça-feira, 14 de maio de 2013

BOLHAS DE SABÃO

Os seres humanos rodam por todo um labirinto de caminhos até chegar ao próprio miolo.

Como se voltassem para a sua primeira placenta e dessem um abraço, longo, em si.

Descobrir como a lua cabe, inteira, dentro de cada pessoa, ao mesmo tempo;
jogar-se, como em um rio, no beijo de amor e de amigo;
ser padrinho dos filhos de todos os seus, até parir a si próprio para gerar outro alguém.

Retratos de nós em caras tão diferentes...
Textos que escrevemos nas bocas do infinito...

Não há culpados a serem punidos ou intocáveis.
Todos, os que estão vivos, sofrem,
mas os caminhos são de se caminhar e "carece ter coragem".
As fadas e os duendes, por mais diferentes que sejam, vivem no mesmo reino elementar.

Tudo é absolutamente nosso e é dever de cada criatura de boa vontade espalhar seu amor, com a entrega e a pureza das bolhas de sabão que se sopra para crianças.

Só quando se escuta os versados da natureza é que se entende a missão da poesia.

Ser grato por tudo que acontece a nós,
sem uma gota de juízo de valor e um mar de aprendizado
é a chave que destranca a porta entre o chão e todo o céu de sonhos que lhe cobre.





Nenhum comentário:

Postar um comentário